pulpite

Pulpite hiperplásica: causas, sintomas e tratamentos

A nossa boca é um ambiente onde diversas doenças se proliferam, desde a cárie e tártaro até problemas mais complexos como a  pulpite hiperplásica.

Essa doença, também conhecida como pólipo pulpar, consiste na inflamação da polpa dentária. Esta, por sua vez, contém vários nervos e vasos sanguíneos localizados no interior dos dentes.

Normalmente, o pólipo surge nos dentes molares que tenham sido acometido alguma fratura como, por exemplo, cáries. Essa condição pode afetar tanto adultos como crianças e adolescentes.

Sintomas pulpite hiperplásica

O principal sintoma da pulpite é a dor de dente, em razão da inflamação e infecção da polpa dentária, que pode ser muito acentuada. O sintoma tende a piorar com a presença de estímulos, como ingestão de bebidas e alimentos frios ou quentes, além da mastigação.

Conforme o grau da inflamação, a pulpite pode ser:

Reversível

Quando os nervos e vasos, ainda que inflamados, não são danificados e podem melhorar com a remoção das causas e dos estímulos, como cáries.

Irreversível

Os nervos e vasos da polpa são necrosados e danificados devido a infecção e inflamação, por esse motivo, a polpa dental deve ser completamente retirada e substituída por uma obturação do canal do dente acometido.

O diagnóstico do tipo de pulpite é feito pelo dentista por meio de avaliações com estímulos de temperatura ou elétricos. Logo, assim que a dor de dente se apresentar, é preciso ir a uma consulta para que a confirmação seja feita e o tratamento logo seja iniciado a fim de evitar complicações, como o abscesso dentário.

Principais causas

Veja, a seguir, algumas das principais causas de pulpite são:

  • Pancada no dente: devido a quedas ou acidentes, por exemplo;
  • Cáries: são a principal causa da pulpite e se caracterizam pela infecção por bactérias que danificam os tecidos do dente, podendo afetar até as partes mais profundas e chegar até a polpa;
  • Mastigação inadequada: pode provocar pequenos traumas na mandíbula e dentes;
  • Periodontite: quando não é tratada e avança até chegar à raiz do dente;
  • Bruxismo: é o ato inconsciente de ranger ou apertar os dentes, especialmente durante o sono, causando um desgaste e traumatismos no dente;
  • Agressões por produtos químicos: como ácidos, ou mudanças repentinas de temperatura;
  • Quimioterapia ou radioterapia: também podem estimular lesões nos tecidos dos dentes;

Essas situações motivam a agressão e inflamação das raízes nervosas e vasos sanguíneos que constituem a polpa do dente, sendo responsáveis pela pulpite.

Como é feito o tratamento da pulpite hiperplásica?

Para tratar a pulpite, é fundamental saber a sua causa e se é um quadro reversível ou irreversível, fato esse que o dentista determina.

A pulpite reversível, normalmente, é diagnosticada em casos de inflamação inicial, sendo tratada com a remoção da molesta. Sendo assim, se for causada por uma cárie, a solução pode ser a restauração do dente, ou, em casos de trauma, a realização de repouso e uso de anti-inflamatórios.

Já o tratamento da pulpite irreversível, consiste num procedimento chamado endodontia, pulpectomia ou desvitalização do dente. Assim, é retirada da polpa do dente, sendo substituída pela obturação, por meio de um tratamento de canal.

E por último, quando nenhuma das opções anteriores for suficiente, pode ser feita uma exodontia (extração do dente).

Ademais, quando a pulpite hiperplásica é purulenta ou manifesta sinais de infecção, o dentista prescreverá o uso de antibiótico, como Ampicilina ou Amoxicilina. Além disso, o especialista também poderá indicar medicamentos para amenizar a dor, como um anti-inflamatório ou analgésico do tipo Ibuprofeno ou Dipirona.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como periodontista e implantodontista em Barbacena!

Dr. Sérgio Caetano

Dr. Sérgio Caetano

O que deseja encontrar?

Compartilhe