periodontite

Fumo e periodontite

O tabagismo é um dos fatores principais para as causas evitáveis ​​de doenças. Os fumantes apresentam riscos significativamente elevados de mortalidade em todos os sentidos e também  desenvolvem diversas condições patológicas. Ou seja, uma relação causal direta entre a exposição ao tabagismo, a prevalência e a gravidade da doença periodontal, que é firmemente estabelecida. Embora a causa principal da periodontite seja a infecção bacteriana oral, o tabagismo é, indiscutivelmente, o fator de risco comportamental mais forte para a incidência e progressão da doença. Fumar tem um efeito infeccioso em todos os aspectos do periodonto. Foi demonstrado que os fumantes respondem menos à terapia cirúrgica e não cirúrgica do que os não fumantes. Com base nessas pesquisas e evidências claras, os profissionais de saúde bucal devem aconselhar os pacientes sobre os efeitos negativos do tabaco, bem como todos os benefícios de abandonar o seu uso, introduzindo o aconselhamento. Trata-se de uma prática que deve fazer parte do cotidiano desenvolvido no consultório odontológico. Neste post, conheceremos um pouco mais sobre o tema. Acompanhe!

O que é a periodontite?

A doença periodontal resulta de um ataque dos elementos que sustentam o dente: a gengiva, o ligamento alveolar-dentário e/ou o osso alveolar. Se a gengivite não for tratada, pode trazer consequências muito graves. Os tecidos que sustentam o dente são afetados — as fibras de fixação (ligamentos) e/ou o osso. O risco é então muito maior, já que podemos evidenciar um afrouxamento dos dentes, ou seja, a periodontite. Os dentes começam a se mover, a destruição dos tecidos ao redor deles torna-se irreversível, o que pode causar a perda de dentes.

Por que fumar causa periodontite?

De todos os fatores de risco da periodontite, o tabaco é um dos principais agentes para o seu desenvolvimento, ganhando do álcool e do açúcar:
  • no nível bacteriológico: os fumantes, geralmente, têm uma placa dentária idêntica a de não-fumantes. No entanto, o tabaco promove o desenvolvimento de bactérias anaeróbias, ou seja, que vivem sem oxigênio. Essas bactérias são a causa da doença da gengiva;
  • no nível vascular: o tabaco prejudica a circulação sanguínea dos fumantes, ou seja, o calor da fumaça causará uma constrição dos vasos na área da inflamação e, assim, reduzirá o sangramento. Esses sangramentos são um forte sinal da presença de gengivite, entretanto, têm a vantagem de alertar o paciente;
  • ao nível das defesas imunitárias: a fumaça do cigarro libera os radicais livres, que têm o efeito de enfraquecer a eficácia do sistema imunológico e, assim, promover infecções responsáveis ​​pela gengivite;
  • ao nível da regeneração óssea: o tabaco terá um impacto negativo na cicatrização óssea ou gengival. É por isso que, após uma extração dentária ou a instalação de um implante, o dentista pedirá ao fumante para reduzir, ou melhor, para parar de fumar. Alguns dentistas se recusam a implantar se o paciente não parar de fumar, porque o implante terá muito pouca chance de levar o osso.
O tabaco desempenha a composição da flora microbiana e diminui a eficácia do sistema imunológico. Com o calor da fumaça, ele cria inflamação que, por sua vez, é ainda aumentada pelos vários componentes do cigarro, que levam à agressão do tecido da gengiva. Isso tem como consequência o surto de gengivite e, posteriormente, a periodontite. O tabaco tem um efeito negativo sobre os tecidos, observando que o espaço que se forma entre a gengiva e a raiz se torna ainda mais denso nos fumantes. O tabaco é, portanto, um fator prioritário no agravamento da periodontite.

Qual o tratamento?

A melhor solução é parar de fumar, pois, como mencionado, é um dos principais fatores que contribui para o caso. Quando isso ocorre, os tratamentos odontológicos funcionam eficazmente, do contrário, não terá resultados. Portanto:
  • escove os dentes duas vezes por dia, de manhã e à noite, por dois minutos, use uma escova para alcançar os espaços interdentais;
  • o tabaco provoca manchas na superfície dos dentes devido à presença de alcatrão e nicotina — “use um creme dental branqueador, que ajuda a apagar e limitar a coloração dos dentes relacionada aos agentes de coloração”.
É recomendado o uso de um enxaguatório bucal para uso diário, isso ajuda a prevenir o aparecimento de gengivite, mas não terá efeito sobre as manchas, uma vez que não substitui a escovação. Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como periodontista e implantodontista em Barbacena!
Dr. Sérgio Caetano

Dr. Sérgio Caetano

O que deseja encontrar?

Compartilhe