Entenda por que a gengivite é comum na gravidez

A gengivite na gravidez é mais comum do que se imagina – a incidência é de 50% nas gestantes. Trata-se de uma doença periodontal que produz uma inflamação severa nas gengivas, incluindo sangramento.  

Ela se desenvolve após depósitos de placa bacteriana se manterem por um longo período na boca. Na gravidez, o problema ocorre devido às alterações hormonais que são registradas durante o período, o que deixa a mulher suscetível à doença.

Consequências da gengivite na gravidez

Se a gengivite não for tratada,  as bactérias escapam para a circulação e, no corpo da gestante, conseguem se fixar na placenta. Para salvar o bebê, o corpo entende que precisa entrar em trabalho de parto.

Nenhuma mãe quer ver o filho nascendo de parto prematuro, por isso, é imperativa a necessidade de, no pré-natal, incluir visitas ao dentista. Inclusive, um estudo da Unifesp reforça a importância de realizar exames odontológicos durante a gestação e alerta sobre a falta de orientação a gestantes.

O melhor período para começar esse acompanhamento é no segundo trimestre gestacional, fase em que a mulher está mais estável física e psicologicamente, de modo que é possível evitar desconfortos, como náuseas, provocadas por instrumentos ou odores dos produtos utilizados.

Gestante pode tomar anestesia?

O problema não está na anestesia em si, mas em uma substância que é usada pelos cirurgiões-dentistas, junto com a anestesia, quando é necessário reduzir o sangramento para facilitar o procedimento.

Por ser vasoconstritora, ela pode elevar a pressão arterial, o que é perigoso na gestação. O recomendado, portanto, é escolher o anestésico ideal, com menor percentagem de vasoconstritores.

Doces e mais doces

Grávidas e doces parecem que foram feitos um para o outro, não é mesmo? Essa relação, apesar de parecer inofensiva, é a porta de entrada para a gengivite.

É que, ao consumir mais doces, a acidez bucal aumenta, favorecendo, assim, a proliferação de bactérias. Essa acidez aparece após o vômito, por isso, recomenda-se a escovação imediata.

Escovação

A maioria das pessoas escova o dente de maneira incorreta, seja colocando pressão demais, esquecendo-se dos dentes de trás, ou ignorando complementando a limpeza da língua.

Por isso, vamos recordar o jeito certo de fazer a limpeza bucal:

  • coloque a pasta de dente na escova, que pode ser manual ou elétrica;
  • encoste as cerdas na região entre a gengiva e os dentes, fazendo movimentos circulares ou verticais, da gengiva para fora, repetindo-os por cerca de dez vezes, a cada dois dentes;
  • o mesmo procedimento deve ser realizado na parte de trás dos dentes. Para limpar a parte de cima deles, deve-se fazer um movimento de vai-e-vem.

Tão importante quanto escovar os dentes é escovar a língua. Para isso, faça movimentos para trás e para a frente. Ao terminar, o fio dental é necessário para remover os restos de alimento e a placa bacteriana que a escova não alcança.

Precisa escovar todas as vezes em que comer algo? Não precisa! Três vezes ao dia já está ótimo. Seguindo essas dicas, é possível evitar a gengivite e garantir a saúde do bebê.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como periodontista e implantodontista em Barbacena!

Dr. Sérgio Caetano

Dr. Sérgio Caetano

O que deseja encontrar?

Compartilhe