medo de dentista

5 dicas para superar o medo de dentista

Certamente, você conhece, pelo menos, um conhecido que tem medo de dentista. De fato, essa fobia, por assim dizer se justificava nos séculos passados. 

Mas, hoje, com tantos recursos tecnológicos, assepsia e técnicas não invasivas, não há motivo para desespero. Porém, é claro, que cabe uma abordagem educativa. Afinal, o seu paciente precisa estar tranquilo para garantir o êxito no tratamento.

Logo, se você lida com esse perfil é essencial conquistar a confiança desse grupo. Confira cinco dicas certeiras para superar esse medo.

Medo do dentista: a origem

Antes de mais nada o profissional deve compreender o que desencadeou a fobia. Isso porque, muitos deles, sofreram algum tipo de trauma na infância. Ou ainda podem conhecer alguém próximo que passou por uma situação complicada.

Assim, tome a iniciativa e abertura para o diálogo. Demonstre desde o início que você está ali para auxiliá-lo. 

Além disso, evite fazer pouco caso da situação. Afinal,essa pessoa merece respeito, exatamente, por estar em uma situação delicada. 

Se ainda assim notar estresse, encaminhe o paciente para um psicólogo. Seja paciente e acompanhe cada evolução do quadro até ser o momento de sua atuação.

Siga com a leitura e conheça outras iniciativas bem-sucedidas nesse sentido.

1. Crie vínculos com paciente

Provavelmente, você já observou que a maioria dos profissionais busca “quebrar o gelo” durante a consulta. Brincadeiras à parte é até curioso o hábito de tentar manter diálogo com o dentista com a boca aberta e salivando.

Porém, trata-se de um esforço válido com o propósito de agir naturalmente. Mesmo porque boa parte dos procedimentos que se realizam, hoje, são indolores e com o paciente consciente.

Outro truque bem conhecido é seguir uma postura educativa. Demonstrando, por exemplo, a forma correta de higienização bem como:

  • uso de peças coloridas e didáticas;
  • oferta de amostras grátis como escovas ou mini-kits;
  • distribuição de encartes informativos;
  • obviamente, todas essas ações devem ser adaptadas conforme a idade do paciente. Sem dúvida, quem tem essa sensibilidade têm grandes chances de superação da ansiedade. Fora que com isso ainda tende a ser referência em atendimento.

2. Evite gatilhos ameaçadores

Ao longo dos anos reparo que certos instrumentos de trabalho deve ser manter longe do campo visual. Não se trata de esconder uma broca,por exemplo, mas fazer uso, apenas, aqueles necessários para cada intervenção.

Portanto, procure organizar bem sua sala. Assim como escolha uma trilha sonora calma que favoreça o relaxamento. Tudo isso contribui para evitar qualquer insegurança por parte de seu paciente.

3. Livre do medo de dentista

Outra iniciativa com grande potencial é a confecção de um mural com fotos de pacientes que superaram a fobia. Em tempos de mídias sociais adapte a ideia valendo-se de testemunhos sonoros e visuais compartilhados na rede.

Vale à pena explorar opções desse gênero. Sobretudo, porque são depoimentos reais que autentificam a seu propósito empático. Contudo, antes de seguir por esse caminho se certifique de que o paciente concorda com essa política e está ciente da exposição. 

Na dúvida, elabore um documento nesses termos, e reforce a importância desse exemplo para outras pessoas na mesma situação.

4. Seja transparente na consulta

Além disso, seja sincero sobre os efeitos colaterais e explique cada passo dos tratamentos. Exponha prós e contras de cada opção com paciência. 

Se observar alguma dúvida ou apreensão procure acalmar o paciente, mas jamais minta. Afinal é o seu nome e  do consultório em que trabalha que estão em jogo.

5. Incentive o retorno 

Além disso, enfatize a necessidade da manutenção da limpeza profissional bem como a continuidade dos tratamentos.

Use dados e contextualize a argumentação não se trata de assustar o paciente. Porém, obviamente, não custa nada lembrá-lo o quanto o descaso com a saúde bucal é problemático.

Sem medo do dentista

Claro que para contornar o medo de dentista você deve usar as palavras certas. Contudo, seja firme, principalmente, ao comentar as consequências do absenteísmo odontológico. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto.

Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como periodontista e implantodontista em Barbacena!

Dr. Sérgio Caetano

Dr. Sérgio Caetano

O que deseja encontrar?

Compartilhe