perda de dentes

5 dicas para evitar a perda de dentes

Por muito tempo a perda de dentes era vista como algo natural no país. Em decorrência da falta de uma política nacional sobre saúde bucal. Ainda mais agravada pelas condições precárias de sobrevivência da população brasileira. 

Contudo, essa questão ainda segue arraigada, no senso comum. Para se ter ideia disso, não é raro haver associação do quadro, sobretudo, com o avançar da idade. Claro que isso não se justifica, de fato, mesmo porque qualquer pessoa, independente disso, está suscetível ao transtorno. 

Assim, tudo que você precisa fazer é dedicar especial atenção à área por meio da prevenção. Para entender melhor isso, siga com a leitura. Confira a seguir cinco dicas para conservar os dentes por toda a vida.

O que causa a perda de dentes?

Existe todo um movimento na odontologia no sentido de prevenção à cárie. Assim como políticas que fortaleçam o absenteísmo do tabaco e álcool.  Tudo isso se justifica pelos efeitos cumulativos desses hábitos em função de agravos irreversíveis para os dentes.

Importante dizer que nos últimos anos, a obesidade também ganhou destaque nessa perspectiva. 

Decerto a desigualdade social que inviabiliza o acesso a itens básicos de higiene ainda influencia bastante nesse quadro. Assim como a  falta de continuidade de programas governamentais específicos interferem nisso.

 Aliás, isso se repete também em outros países da  América Latina. Tanto que segundo dados do Observatório Iberoamericano de Políticas Públicas em Saúde Bucal indicam que  80% da população local apresenta gengivite. Algo que poderia ser, facilmente, evitado por meio da higiene bucal completa. 

Influência da higiene x perda de dentes

De forma geral, a maioria dos problemas dentários se dão por conta da higiene insuficiente. Assim, sempre que doenças associadas à perda dentária são descartadas volta-se à questão. 

Caso essa suspeita se comprove, o dentista procura tratar a área, assim como evitar a expansão da cárie.

Sobretudo, em relação à cárie que provoca a deterioração permanente do esmalte dentário. E ainda tem potencial para atingir zonas profundas, comprometendo toda a extensão dos dentes. 

A gengivite é outro motivo de atenção. Pois, além de ser uma infecção dolorosa já que inflama com facilidade, ainda atrapalha a alimentação.

Mas isso não é tudo, por se situar na região periodontal, isto é, o conjunto de tecidos que sustenta a dentição, em condições severas pode evoluir levando à queda dos dentes.

Diante desse cenário confira nos próximos tópicos iniciativas que previnem o transtorno.

1. Escovação completa

Sem dúvida a escovação completa e regular reduz de forma considerável o problema. Assim, não basta apenas higienizar de forma habitual os dentes. O uso do fio dental manipulado com cuidado e de forma correta é imprescindível para a conservação dos dentes.

A língua também deve ser incluída, mesmo porque isso ainda diminui a incidência de câncer de boca. Sem contar que ainda afasta odores desagradáveis. 

2. Alimentação adequada e regular

Embora pareça dispensável incluir esse item nem todos têm condições de se nutrir com frequência. Além disso, é cada vez maior o número de pessoas que adotam dietas restritivas sem orientação profissional. 

Ainda, passam longos períodos sem comer para se adequar a certos padrões estéticos. O que pode, inclusive, se transformar em uma verdadeira obsessão psíquica assim como:

  • resultar em um quadro acentuado de anemia por conta de desnutrição;
  • o jejum ainda tem potencial para corroer o esmaltes dos dentes. Mesmo porque nessas condições há diminuição do PH da boca o que contribui para acidez local;
  • o mesmo fenômeno químico pode ocorrer em caso de vômito induzido. Com o agravante da acidez ser proveniente do ácido clorídrico presente no estômago. Por sinal ainda mais agressivo para os dentes;
  • além de seguir uma dieta balanceada e equilibrada evite alimentos e bebidas ácidas como refrigerantes. Ou se consumi-los antes da escovação beba água ou bocheche. Assim, você preserva a área;
  • e claro reduza o consumo de açúcares e álcool, pois, em ambos casos há efeitos adversos tanto para a dentição como a boca em geral. 

3. Check up indispensável

Tudo indica que, após a pandemia mais do que nunca, será preciso reverter os danos, em decorrência da falta de assistência adequada. Sobretudo, por conta dos maus hábitos adquiridos durante o isolamento social.

Por isso observa-se, sem dúvida, a necessidade do check up completo tanto médico quanto dentário. Somente dessa maneira é possível:

  • realizar a limpeza profissional da área;
  • considerar a sensibilidade da gengiva e áreas adjacentes;
  • controlar a cárie se constatada a ocorrência;
  • bem como educar os pacientes sobre a importância da saúde bucal;
  • prevenir doenças oportunistas comuns na área com efeitos perigosos para grupos de risco).

4. Abandono de velhos hábitos

Ainda assim, é essencial compreender que a relação paciente/ dentista exige boa dose de confiança. Ou seja, de nada adianta ser assíduo em um consultório de excelência se a pessoa não estiver disposta a rever comportamentos

Algo pertinente,sobretudo em casos de  fumantes e até mesmo diabéticos. Com toda informação disponível o mais adequado seria abandonar velhos hábitos prejudiciais à saúde, porém na prática nem sempre isso se comprova.

Vale lembrar que o dentista, independente, da especialidade é antes de tudo um profissional da saúde. Daí se justifica a ênfase aos cuidados primários. Também em função disso, muitos fazem campanhas drásticas contra esses vícios.

 Mesmo porque a ocorrência eventual de câncer de boca nesses grupos é preocupante. E pior ainda pode causar a perda dos dentes. Sem contar o risco de metástase em uma área, por si, só complicada de tratar.

5. Colaboração mútua x perda de dentes

Além da continuidade citada acima, é importante o reforço às observações do dentista. Assim, se houver prescrição de algum antibiótico, tome o remédio, apenas, pelo tempo prescrito. Outro exemplo, se houver necessidade do tratamento de canal, se possível comece o quanto antes. 

Não perca tempo e considere dados úteis. Isso pode ser determinante para evitar a perda de dentes. Naturalmente, exige muito do paciente, porém a persistência, sem dúvida, será recompensada no longo prazo.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como periodontista e implantodontista em Barbacena!

Dr. Sérgio Caetano

Dr. Sérgio Caetano

O que deseja encontrar?

Compartilhe